quarta-feira, 19 de maio de 2010

O Som das Nuvens

As nuvens têm som? Pois é, todo mundo para para observar os desenhos e formas que elas fazem, mas ninguém nunca parou para ouvir O Som das Nuvens.

O Som das Nuvens?

Isso mesmo, você não leu errado!

Um grupo de meninos de Curitiba parou para “ouvi-las” e percebeu a emissão de poesias, músicas, artes cênicas, imagens e muitas outras coisas que as nuvens podem transmitir. O Balaio Contemporâneo foi atrás dessa trupe e os entrevistou.

Balaio Contemporâneo - No site da banda vocês afirmam que a formação se originou nos bastidores da gravação do primeiro disco. Como, de fato, aconteceu isso?

Nuvens - A Nuvens surgiu como um projeto meu (Raphael Moraes), a partir da necessidade de expressar minhas idéias e visões sobre o mundo, a vida, a sociedade, a arte, etc. Então, o meu primeiro passo foi querer gravar um disco, antes de formar uma banda, para que eu pudesse dar o direcionamento musical que eu gostaria.

Comecei as gravações eu e o 1º baterista da banda, Luiz Geremias, já dando as primeiras pinceladas construindo a base de todo o disco, com a bateria, violões, guitarras, vozes, baixos, etc. No decorrer do processo fui convidando músicos, a dedo, que se identificavam com a proposta e que tinham um perfil criativo pra explorar e potencializar a essência que já tinha concebido, sempre calcado e referenciado pelas composições.

Então, com a banda formada, 1 por 1, dentro do estúdio, O Som das Nuvens foi tomando forma chegando mais próximo do que um dia ainda virá a ser.

Balaio Contemporâneo - Por que “O Som das Nuvens”?

Nuvens - Pra responder essa pergunta primeiro preciso explicar o porque do nome da banda, que é “Nuvens”. Nas grandes cidades vemos por todos os lados obras e construções do homem, a natureza manipulada pelo homem; então nos grandes centros urbanos o céu e as Nuvens são nossa principal referência da natureza, que é o grande símbolo da nossa essência, do resgate das nossas raízes, um relembrar humano.

A partir disso, a idéia é que “O som das Nuvens” é captado e sentido por poucos, que podem ser muitos, desde que estejam com suas percepções e seus corações ligados no “Mode on”, pra perceber e sentir que mesmo na mais dura linha do maior prédio mais cinzento da maior metrópole brasileira, ainda pode haver poesia. E essa poesia emite notas musicais, expele palavras, poemas, idéias, imagens. E isso tudo está nesse som que vem das Nuvens, que está sempre livre para se transformar e se descobrir, de acordo com os ventos.

Balaio Contemporâneo - Como é feita a fusão de artes no show da banda?

Nuvens – A fusão das artes é, desde o início, uma das grandes vontades de experimentarmos e flertarmos com outras formas de expressão, que venham para potencializar a nossa proposta. Nesses 2 anos e meio de banda fizemos espetáculos com teatro, circo, artes visuais, teatro de sombras e outros. Ótimas experiências que nos trouxeram uma percepção geral de espetáculo e arte muito importantes.

Agora a Nuvens passa por uma reformulação artística tanto musical quanto de show. Convidamos Edson Bueno, diretor, autor e ator de teatro de nossa cidade para fazer a direção cênica do nosso próximo espetáculo, que consideramos nosso primeiro passo mais maduro e consciente após esses primeiros anos de experimentações.

Um repertório novo e um show que serão trabalhados por meses, para que essa fusão das artes, principalmente com as visuais, o teatro e a poesia venham para conduzir o público a uma esfera diferente da do dia a dia, à esfera das Nuvens.

Balaio Contemporâneo - Quais as influências da banda? Em certos momentos, lembramos d’O Teatro Mágico, ao ouvir vocês. Existe alguma influência da banda paulista sobre O Som das Nuvens?

Nuvens - Em realidade, quando O som das Nuvens começou não havia uma influência d´O Teatro Mágico. Creio que exista, sim, uma grande sintonia já que ambos falamos sobre o amor, a vida, o ser humano, ideais, sonhos.

Hoje, porém, temos uma grande admiração d´O Teatro Mágico, de uma maneira geral, pela postura que eles têm de sua arte diante da sociedade, os lindos shows, a alegria, a verdade ao subir no palco, a ótima música, a poesia e a amostra de que lutar por um sonho é sempre um privilégio de corajosos, tome ele o caminho que tomar.


Balaio Contemporâneo - Como foi fazer uma turnê pelo estado do Paraná com o grupo que é super conhecido pelo Brasil todo, O Teatro Mágico?

Nuvens - Para nós foi muito gratificante. É sempre uma honra dividir o palco com eles, especialmente pelo respeito com que eles e o público nos tratam. Sempre fomos muito bem recebidos tanto pela banda quanto pelo público, que foi sempre muito carinhoso. Conseguimos construir um público inicial nas cidades por onde passamos de uma forma muito bacana, pois, me parece que quem acompanha O Teatro Mágico já é mais aberto na busca por artistas novos e trabalhos diferentes para se conhecer, fora do que vem através da mídia de massa.

Além disso, é legal pois participamos junto com eles do movimento de Música Para Baixar (MPB) - união de pessoas na defesa, entre outras coisas, da livre disponibilização de conteúdos culturais pela internet sem intervenção ou controle de qualquer tipo - o que mostra que dividimos opiniões políticas e ideológicas muito semelhantes.

Balaio Contemporâneo - Ouvindo o primeiro álbum, Nuvens, percebemos que os nomes das músicas são todas intercaladas com a natureza. É de próposito? Quem compôs as canções?

Nuvens - Na verdade é a primeira vez que alguém fala sobre isso para nós. Confesso que não tivemos nenhuma intenção em relação a isso e nem percebemos tão bem essa ligação das músicas.

Em geral, as composições realmente têm uma relação com a natureza e o homem em si, e foram escritas por mim (Raphael Moraes). Têm, também, algumas parcerias com Eduardo Cirino e Luiz Carlos Geremias.


“... Subir ao céu, tirar os pés do chão. Aos poucos, lentamente. Como décadas atrás quando o homem não tinha televisão. Nem via suas horas passarem como avião, que a jato passa. Só se via balão, levitando as idéias se erguendo sem ter pressa...”

(Trecho da canção inédita - "Meu Balão")



A Redenção de Bicicleta by balaiocontemporaneo


Balaio Contemporâneo - Em relação as mídias sociais (orkut, twitter, facebook... ) e o download gratuito do primeiro álbum, vocês acham que têm ajudado na popularização do grupo?

Nuvens - Com certeza. Hoje em dia, para uma banda independente como nós somos, a internet é o principal meio de divulgação do trabalho. Isso porque ela proporciona um contato direto entre artista e público, que dentro desse processo descentralizado de aquisição de conteúdo, seja cultural ou não, acaba tornando-se o principal divulgador do trabalho. O público é o início, o meio e o fim do processo, pois a internet torna essa escolha e esse consumo cultural muito mais democrático, onde o que passa a importar, cada vez mais, é a escolha do público e não a aposta desse ou daquele empresário ou meio de comunicação - intermediários que tornam-se desnecessários com o crescimento da internet.

Através dela, qualquer um pode ter acesso ao nosso site, baixar todas as músicas, ver vídeos, fotos, ler textos, acompanhar os bastidores através do blog, ver as notícias e agenda de shows, e ainda se comunicar diretamente com a gente através do twitter e orkut. E esse é o bacana da internet, porque ela oferece uma série de mecanismos e ferramentas de diversos tipos que permite que o público fique por dentro de tudo que acontece na vida do artista. Ele não apenas consome música e é fã da banda, mas também faz parte da nossa história, da nossa carreira, como uma parte ativa em todo esse processo que vivemos.


_ _


  • Nuvens - Os dois lados da mesma janela

Gostou do Som das Nuvens? Clique aqui e Baixe o disco.

+ Detalhes: MyspaceOrkutSiteFlickr TwitterYoutube


1 comentários:

D.Srtª disse...

Eu não conhecia e ESTOU APAIXONADA!
Muito bom, SHOW DE BOLA!!Ô sonzinho gostoso esse!
\o/